Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

Seguidores

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

GLÓRIA DE SANT'ANNA


Poema Agreste

Não sei por que buscas palavras longas
para as coisas breves que nos assombram.

Não sei por que teces teias enormes
para as incertezas que nos envolvem.

Não sei por que insistes. Não sei porque insistes
em prender meus passos nesse limite.

Glória de Sant'Anna, in 'Poemas do Tempo Agreste'

Biografia   Aqui

17 comentários:

lis disse...

Seguindo o link encontrei Glória Sant'Anna, entre os grandes nomes portugueses_ gostei muito e vou permanecer pesquisando ja que amo poesia da 'terrinha' como dizemos aqui. E,como não sei escrever, dou voz aos poetas no meu blog.
Obrigada, Elvira pela excelente escolha.
bom final de semana.

Cidália Ferreira disse...

Fantástica publicação!:)
Passo para desejar um feliz fim de semana
-
Um colo que oferece o seu carinho... |Blogue; Com Amor|
-
Beijos e Abraços

" R y k @ r d o " disse...

O meu elogio para um poema fascinante
.
Bom fim de semana

MARILENE disse...

Que lindos versos!! Vou conhecer mais o seu trabalho. Bjs.

Roselia Bezerra disse...

Boa tardinha de paz, querida amiga Elvira!
Um poema libertador que frisa o valor do que seja pripício.
Tenha um final de semana abençoado!
Bjm carinhoso e fraterno

Daniela Silva disse...

Bem interessante. Bjinho

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Esse hermético poema,
Balançou-me, amiga Elvira!
O que ele tem em mira
Não sei! O teor do tema
Se não provocar celeuma
Por aquele tempo agreste,
Quem sabe se ele se preste
A algum sonho surreal...
Eu adoro Portugal
Por ser meu supremo mestre!

Bela postagem, amiga Elvira! Parabéns! Abraço fraterno! Laerte.

São disse...

Agradeço muito ter.ma dado a conhecer esta excelente poesia.

Abraço e agradável fim de semana de três dias

Os olhares da Gracinha! disse...

Também gostei de conhecer 👍

Marta Vinhais disse...

Interessante... Nada nos deve limitar e contra mim falo, deixei que me " limitassem" por muito tempo.
Não conheço a poetisa; obrigada pela partilha....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Vânia Moraes disse...

E, a liberdade grita, nesta poesia.

lua singular disse...

Oi Elvira,
Um lindo poema!
Adorei
Existem pessoas e pessoas, cada uma delas com seus talentos.
Você Elvira é muito talentosa
Beijos
Lua Singular

Cléo Gomes disse...

Muito talento em seu poema.

Tão pequeno, mas cheio de verdades.

Boa semana, Elvira.

Marta Vinhais disse...

Bom dia, em resposta à questão:

A Matilde é irmã do Gustavo e da Clarinha, sobrinhos da Rita que é irmã da Madalena que se divorciou do Inspector Bernardes.

A Filipa é a filha mais velha da Carolina e do Gustavo, irmã do Miguel, do Matias, do Edgar e da Inês. E, sim, tem um namorado, o Gonçalo que a ajuda a tomar conta não só dos irmãos como também dos primos (a Sofia e o Gonçalo, filhos da Teresa e do António e do Miguel, filho da Laura e do Pedro) e dos filhos dos vizinhos.

Espero ter respondido.

Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

O meu pensamento viaja disse...

Bom feriado, Elvira. Beijo

Maria Emilia B. Teixeira disse...

Boa noite Elvira.
Apenas um olhar pode encurtar conversas longas.
Uma boa semana para você. Bjs.

ROSELINE DAVIDSON disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.