Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

Seguidores

segunda-feira, 5 de abril de 2021

YEDA PRATES BERNIS



Oferenda



Se eu pudesse fazer um poema
meigo como a brisa das manhãs,
doce como pássaro submisso,
lírico como a flor que desabrocha,

se eu pudesse fazer um poema
onde as palavras perdessem seu sentido
e se transformassem em etéreas formas
em música suave
ou em volátil perfume
que inebriasse,

levar-te-ia, amor,
em oferenda,
este mágico poema


- Yeda Prates Bernis, no livro "Entre o rosa e o azul". Rio de Janeiro: Editora O Cruzeiro, 1967.



Biografia AQUI

11 comentários:

Graça Pires disse...

Que delicado e inspirado poema, minha Amiga. Não conheço a autora, mas gosto imenso deste poema.
Uma boa semana com muita saúde.
Um beijo.

lis disse...

Um livro que motiva a curiosidade de saber como fazer escolhas entre cores singelas e delicadas como o rosa e o azul _ O poema é uma bonita oferenda ao amado . Gostei, Elvira
Desejando uma bonita semana e que devagarinho voltem as atividades por aí.
Aqui, continuamos tentando reverter a situação complicada.
Abraço grande.

Cidália Ferreira disse...

Muito interessante a publicação e o poema! Parabéns à escritora. :)
-
Renascem sonhos dos dias em liberdade
-
Uma excelente semana - desconfinada - mas, com muito cuidado.
Beijos

Ailime disse...

Boa tarde Elvira,
Um poema muito belo.
Magnífica partilha.
Um beijinho e boa semana.
Ailime

" R y k @ r d o " disse...

Poema muito bonito que me fascinou ler.
.
Abraço poético
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Ana Tapadas disse...

De uma delicadeza imensa...
Gostei muito.
Beijinho e boa semana.

SARA disse...

Olá minha amiga tudo bem?
O poema é muito lindo amei de coração um bjo.

Marta Vinhais disse...

Um poema delicado, em que o amor transborda.
Obrigada pela visita.
Em resposta à questão, exactamente o Bernardes foi sargento do Inspector Leandro quando jovem. Agora é Inspector e tem como sargento o Meireles.
É o Leandro quem está a falar, isto faz parte do diário que a irmã entregou após a morte dele ao Bernardes
Resta saber o que lhe vai contar o Inspector Leitão sobre a ex-mulher.
Beijos e abraços
Marta

lua singular disse...

Oi Elvira

Adorei a poesia
Mas gosto muito das suas.
Beijos
Lua Singular

Lúcia Soares disse...

Bom dia lindo poema bjs

Olinda Melo disse...


Olá, Elvira

Gostei muito do poema, tão delicado e sensível, e desta poetisa
que escreve com coração.
Beijo
Olinda