Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

Seguidores

quarta-feira, 15 de abril de 2020

MARIA TERESA HORTA

                                                           foto da Internet


Desperta-me de noite

Desperta-me de noite
O teu desejo
Na vaga dos teus dedos
Com que vergas
O sono em que me deito

É rede a tua língua
Em sua teia
É vicio as palavras
Com que falas

A trégua
A entrega
O disfarce

E lembras os meus ombros
Docemente
Na dobra do lençol que desfazes

Desperta-me de noite
Com o teu corpo
Tiras-me do sono
Onde resvalo

E eu pouco a pouco
Vou repelindo a noite
E tu dentro de mim
Vais descobrindo vales.

Maria Teresa Horta


Biografia
Escritora portuguesa, natural de Lisboa. Estudou na Faculdade de Letras de Lisboa, enveredando depois pela carreira jornalística. Dirigiu o ABC Cine-Clube e fez parte do grupo Poesia 61. Colaborou em jornais e revistas (Diário de Lisboa, Diário de Notícias, Jornal de Letras e Artes, Hidra 1, entre outros) e foi chefe de redacção da revista Mulheres. Feminista, publicou, com Maria Velho da Costa e Isabel Barreno, as Novas Cartas Portuguesas (1971), cujo conteúdo levou as autoras a tribunal. A sua obra encontra-se marcada por uma forte tendência de experimentação e exploração das potencialidades da linguagem, numa escrita impetuosa e frequentemente sensual. Estreou-se com a obra poética Espelho Inicial (1960), a que se seguiram, Tatuagem (1961), Cidadelas Submersas (1961), Verão Coincidente (1962), Amor Habitado (1963), Candelabro (1964), Jardim de Inverno (1966), Cronista Não é Recado (1967), Minha Senhora de Mim (1971), Poesia Completa (1983, dois volumes), e as obras de ficção Ambas as Mãos sobre o Corpo (1970), Ana (1975), A Educação Sentimental (1975), Os Anjos (1983), Ema (1984), O Transfer (1984), Rosa Sangrenta (1987), Antologia Política (1994), A Paixão Segundo Constança H. (1994) e O Destino (1997). Em 1999, lançou a obra A Mãe na Literatura Portuguesa, constituída por uma longa introdução da autora, depoimentos de várias individualidades, uma antologia de poesia e prosa de escritores portugueses e no fim um conjunto de quadras e provérbios, tudo em torno da temática da mãe. Em 2001, publica Minha Senhora de Mim

biografia da Internet

14 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde de Oitava Pascal, querida amiga Elvira!
Linda é a descoberta dos vales!
Que intensidade na doçura!
Tenha dias abençoados!
Bjm carinhoso e pascal

Cidália Ferreira disse...

Um poema lindo, muitos sensual. Adorei conhecer esta Escritora! Obrigada
-
Existe um raio de sol que todos desejam
-
Votos de uma excelente semana! "Protejam-se"

" R y k @ r d o " disse...

Poema de uma sensualidade ímpar. Existem muito bons escritores e escritoras em Portugal e no mundo.
.
Cumprimentos

Marta Vinhais disse...

Um poema poderoso, intenso, sensual...
Obrigada pela partilha.
Obrigada pela visita....
Beijos e abraços
Marta

© Piedade Araújo Sol disse...

ELvira

uma boa escolha, um poema intenso e sensual.
aliás Maria Teresa Horta tem uma vasta obra e eu gosto da poesia dela.
Boa semana.
Beijinhos
:)

silvioafonso disse...

Linda poesia, bela e sensual imagem,
mas nada se compara a sua generosidade
para com seus amigos e seguidores, minha
doce e querida amida Elvira.
Um beijo, de longe, mas um beijo.

Isamar disse...

Olá Elvira,
Espero que esteja tudo bem consigo.
Mais um belíssimo poema e Poetisa que nos dá a conhecer.
Beijinhos

Mar Arável disse...

Uma referência das boas memórias

Bj

O meu pensamento viaja disse...

Elvira, gosto imenso desta escritora. É genial.

Anete disse...

Um bonito poema caliente e envolvente...
Vamos adiante, com muita fé e perseverança...
Abçs

noname disse...

Parabéns, Elvira, tem aqui um cantinho que é um mimo, para ver e ler com calma. Fica a promessa de voltar. Vou segui-la a partir de agora.
Beijinho

Ana Tapadas disse...

Grande senhora! Belo poema aqui nos trouxe!
Uma vida de mulher-exemplo...

Beijo

HD disse...

Tão sensual e intenso... *_*

Vanessa Vieira disse...

Olá Elvira! Chegando por aqui agora e já curtindo muito o seu espaço! Já tinha ouvido falar da Maria Teresa Horta, mas não tinha lido nada seu! Fiquei encantada com tamanha sutileza nas palavras! Certeza que vou lê-la mais vezes!


Um abraço pra ti!