Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

Seguidores

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

SUSANA BUSATO








Ícaro do asfalto


se tudo ainda é pouco
se tudo ainda é lento
se tudo quanto calo raro arrebento

se tudo é partida golpe buzina
se tudo é café com pão ao meio-dia
se tudo o mais é filé com aspirina

na poça d’água do meio-fio
eu ao meio partida ouso

o impossível:

um fio de futuro na janela
entre o pôr do sol e a lua
esgarça a fina camada do dia

(e isso ainda é pouco
o mais ainda me alucina)

no vidro fosco da janela
o sorriso de Ariadne me vigia
nas suas níveas mãos a noite
e nas minhas
às minhas
expensas
apenas 
ases e copas
asas de janela
e o sol


- Susanna Busato, em "e-book". projeto Escribas do Breu. Rio Preto: SESC.


Biografia e outros poemas aqui 
 AQUI

16 comentários:

Os olhares da Gracinha! disse...

Gostei do poema e obrigado por dar a conhecer!!! Bj

Ana Tapadas disse...

Não conhecia é uma bela poesia!

Espero que esteja com saúde.

Beijinho

mz disse...

Bonito e, faz lembrar que neste momento de novo confinar temos mesmo de ter "... asas de janela..."

Cidália Ferreira disse...

Fantástico! :)
*
Já não escuto...
*
Beijo, e uma excelente tarde. :)

Micaela Santos disse...

Belo poema partilhada aqui querida!

Beijinho e muita saúde!

silvioafonso disse...

Bela homenagem, Elvira.
Um beijinho pra você.

MARILENE disse...

Um estilo diferente e bem interessante. Gostei, Elvira! Abraço.

Isamar disse...

A Elvira sempre a brindar-nos com estas magníficas Poetisas!
Fique bem, beijinho!

" R y k @ r d o " disse...

Poema Lindíssimo que muito gostei de ler.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.
Votos de um dia feliz

manuela barroso disse...

Não conhecia e foi uma boa surpresa
Muito linda poesia
Obrigada
Um beijo

Maria disse...

São Sebastião, livrai_me desta peste que se abateu sobre a humanidade. Livrai_me e livrai minha filha, minha família e toda a terra. Amém!

vieira calado disse...

Olá, amiga!

Mais um poema muito bem escolhido.

Gostei.

Saudações, desde Lagos!

Pedro Luso disse...

Olá, Elvira,
a poetisa que vim a conhecer graças a essa bela postagem, escreveu um poema de grande sensibilidade, tratando das coisas comuns do cotidiano, o que normalmente me agrada muito.
Gostei muito do poema, e agradeço pela partilha.
Uma boa semana com saúde.
Um abraço.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

Se tudo é tudo quando tudo é nada,
Nada importa. É a visão que sobretudo
Prepondera na alma e a miúdo
A alma muda o rumo da jornada
Que ao sentir, estamos noutra estrada.
Por isso a minha vã filosofia
Prega-me, apenas, só o que eu sentia.
Ao dar por mim sinto que já não sinto
E vou sem rumo e só instinto
Para viver meu sonho em poesia!

Lindo poema da moça! Parabéns! Abraço fraterno, Elvira! Laerte.

© Piedade Araújo Sol disse...

Elvira

uma boa escolha de uma poeta que desconheço.
tenho que a pesquisar.
o poema ~e lindissímo.
beijinhos
:)

lis disse...

'um fio de futuro na janela/ entre o por do sol e a lua'
Gostei muito, Elvira
Estamos todos como Ìcaro -tentando voar...
beijinos