Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

ELIANA MORA



Redenção


Quando chego
a sonhar que voei
de verdade
sonhei mais do que voei
[na realidade]
E quando vou abrir os olhos
sem sequer tê-los
fechado
deparo-me com grades
de brinquedo
[que se abrem na
maior facilidade]
Mas que parecem
feitas da argamassa escura
de Shawnshank
[ficção]
ou de Alcatraz
[realidade]
E no entanto vejo
o sol acordar
na minha janela
mostrando de maneira
nem discreta
nem singela
que de fato não estou
numa prisão

E me pergunto
se cheguei a acreditar
um dia
em sair da extrema
fantasia
de me livrar destas paredes
[me livrar deste chão]
Liberdade muitas vezes
é feita com parceiros
uma coisa
que parece
entrar em choque
Com o visgo
que nos liga a muitos
[e invisíveis]
carcereiros



Biografia


Eliana Mora  nasceu no Rio de Janeiro.  Jornalista  trabalhou em revista,  na radio e TV e faz assessoria de imprensa.
Faz parte do movimento modernista Poetrix, com uma antologia já editada, e do grupo Escritas com duas antologias. Em 2003 publicou o seu primeiro livro a solo intitulado  Mar e Jardim.

A autora tem dois blogues nos quais poderão encontrar muitos dos seus poemas. Aqui ou Aqui

5 comentários:

lis disse...

Oi Elvira
Obrigada pelo click lá no flor de lis.
Vim espreitar seu blog , nao lembro de já ter passado aqui.
Espero poder segui-la e ser uma boa companhia rs
um abraço

JPD disse...

Olá, Elvira

Gostei deste poema e sobretudo de -- Apesar de uma certa reserva em acreditar na liberdade -- essa possibilidade não estar irremediavelmente afastada à data da composição do poema.

Bjs

Isamar disse...

Gostei muito do poema. Sempre que se fala de Liberdade, possibilidade remota de se atingir plenamente, eu vibro como fiz no tempo da revolução. E assim continuarei até à morte. Não conhecia a autora. Bem-hajas, pela divulgação.

Beijinhos

rouxinol de Bernardim disse...

Bem profundos estes pensamentos. há tantos carvereiros por aí... por vezes nem damos por eles...

Eliana Mora [El] disse...

Agradeço a ti, Elvira -, como a todos que comentaram o poema. Deixo um enorme abraço!


Eliana
liriodeserto.blogspot.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...