Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

sábado, 20 de janeiro de 2018

BÁRBARA LIA


Flor escandalosa

Meu pai sonhava o deserto
E viveu ao lado do amor
Rimbaud sonhava as areias
Também reinventar o amor
Rimbaud viveu no deserto
Meu pai morreu de amor
Meu pai surfava o mar de estrelas
Com um teodolito da cor da destemperança
– verde oliva que tende ao amarelo –
Quando eu dormia ele soprava
Sementes de poesia
Por cima das minhas cobertas
Rimbaud passava noites inteiras
Regando com um regador de nuvens
Minha alma de fogo e a semente
Nasceu esta flor escandalosa
Misto de estrela e rosa
Da cor dos olhos do amor
E do deserto sonhado
Por meu pai e Rimbaud
Meu pai viveu em poesia
Nunca escreveu um verso
Rimbaud desistiu bem cedo
Meu pai sabia; sabia Rimbaud
O vento que atravessa a cortina
Traz a voz de ambos, mixada:
Ilumine o verbo!
Incendeie a alma!
Faça de corações desertos
Cactos em flor
Sangue em ebulição

 Bárbara Lia



BIOGRAFIA  AQUI

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

PENSO EM TI






PENSO EM TI





Penso em ti
Na solidão
angustiada
dos dias
que dançam
em ondas de agonia
no oceano
do meu corpo
esquecido.

Penso em ti
Nos labirintos
do sonho
perdida.
Como barco
sem rumo
nem norte
em mar de
tempestade.

Penso em ti
Na escuridão
silenciosa
da minha noite
que cavalga
o tempo sem fim
do meu corpo
ondulante
de desejo.

Penso em ti
Principio e fim
da razão
do meu ser.



Elvira Carvalho

sábado, 30 de dezembro de 2017

FELIZ ANO NOVO

GRATA AOS AMIGOS QUE POR AQUI PASSARAM AO LONGO DO ANO, DESEJO QUE O ANO QUE SE APROXIMA, VENHA DISPOSTO A CONCRETIZAR OS VOSSOS SONHOS MAIS CAROS


FELIZ ANO NOVO

sábado, 23 de dezembro de 2017

HENRIQUETA LISBOA - NATAL

Natal

Vejo a estrela que percorre
a noite larga.
Vejo a estrela que perturba
fundos mares.
Vejo a estrela que revela
a eternidade.
Mas para onde foi a estrela
contemplada?
Para onde foi no momento
mais amargo?
Em que cimos ora habita
que debalde
a procuro nestas frias
orvalhadas?
Vejo a estrela – tão de súbito! – ao meu lado.
Vejo os olhos do Menino
desejado.
Henriqueta Lisboa
Nova Lírica, 1971

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...