Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

quinta-feira, 14 de junho de 2018

MARIA HELENA AMARO







BONECA DE TRAPOS

Minha boneca de trapos
Feita de muitos trapinhos...
Minha boneca de trapos
De pernitas de madeira
De olhos pintados de Azul
De cabelos de cordel
De vestidinhos de chita
Com lacinhos cor de rosa
Minha boneca de trapos
Com saiotes de papel...

Eras feia, muito feia
Pobrezita e andrajosa
Mas o brinquedo mais belo
Da minha infância ditosa!


Maria Helena Amaro
In, «Maria Mãe», 1973



Biografia.  AQUI

OU  AQUI

domingo, 10 de junho de 2018

10 DE JUNHO DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES


                                                         


VENHO CONTAR-TE ESTRANGEIRO



Venho contar-te estrangeiro
do meu país
Portugal
Aos teus olhos tão estranhos vou mostrar-te,
as aldeias esquecidas do interior,
onde os campos raquíticos
 não dão pão.
Terras,só terras desertas,
sem escolas
sem homens,
que já se cansaram da fome
herdada
desde longínquas gerações.

Venho contar-te estrangeiro
do meu país
Portugal.
Aos teus olhos velados da cegueira,
das campanhas turísticas.
Aos teus olhos que erram pelas praias,
e cidades
banhadas pelo sol.
Venho contar-te estrangeiro
as horas de incerteza e de angústia,
vividas pelo meu povo
que outrora dominou os mares
e mais tarde pela fome,
foi por ele escravizado.
E...venho contar-te mais
desta terra onde nasci...
Onde os homens nasciam
viviam
e morriam
sem consciência de terem vivido.
Terra de homens-escravos.
Escravos do tempo
das máquinas
do dinheiro
até da própria Vida.

Venho contar-te estrangeiro
do meu país
Portugal.
Deste país que já não é, só de poetas
porque um dia,
um punhado de homens acordou
quebrou as amarras do medo e lutou.
Era Primavera e os cravos floriram.
Na terra dos homens-escravos,
a Revolução nasceu.

Hoje...
quando o desalento mata a esperança
quando os nossos filhos estão ausentes
procurando nas vossas terras
uma vida melhor.
E devorados pela saudade
nós envelhecemos solitários
segurando nas mãos as pétalas secas
dos cravos da nossa esperança.
Hoje... quando os políticos
 se esquecem dos sonhos,
reféns do poder,
escravos de escusos interesses.
Hoje...
Venho falar-te  estrangeiro,
Da minha raiva, do meu desalento.
Ah! como eu queria acordar este país
com a revolta que me rasga o peito
e gritar
EU QUERO UM PORTUGAL DIFERENTE
Para meus filhos e netos!


Elvira Carvalho


quarta-feira, 30 de maio de 2018

POEMA DO NOSSO AMOR NASCIDO


POEMA DO NOSSO AMOR NASCIDO

Ainda me recordo do tempo de solidão
quando na estação do meu desejo
embarquei ao encontro de ti.
Era Primavera? Não. Era ainda Inverno.
Mas o tempo não contava. Era um montão
de horas encerradas
na penitenciária do passado.
E foi justamente nessa altura
que te encontrei.
Trazias a noite agonizante
em teus cabelos,
enquanto nos teus olhos dourados
raiava a aurora.
Nunca te tinha visto e no entanto
soube logo que eras tu. No teu sorriso
- branco malmequer que desfolhaste,
me perdi. Com a força do desespero
que agoniza em silêncio,
o nosso amor nasceu. Depois...
bem, depois, não estava previsto
-mas aconteceu...a maçã do saber
adormeceu em nós.
A cidade, o rio, as gentes,
a vida e até a própria morte
deixaram de nos importar.
Há alguma coisa mais importante que
um homem e uma mulher que se amam?...
Lembras-te? Era o tempo dos beijos
a saber a pôr-do-sol,
das madrugadas amanhecendo
nos sorrisos sem palavras.
Era o tempo em que os nossos corpos,
prenhes de Amor, cavalgavam
pelas montanhas da Ilusão.

Elvira Carvalho



in Antologia de poesia "Entre o sono e o sonho"  Chiado Editora

quarta-feira, 16 de maio de 2018

PERDIDAMENTE - Antologia de poetas lusófonos contemporâneos

Decorreu no dia 13 de Maio, no hotel Sana em Lisboa o Lançamento da Antologia de poesia  PERDIDAMENTE  volume III no qual colaboro com dois poemas. Deixo-vos com um dos poemas, que os mais antigos talvez já conheçam





                     Louca Perigosa

Deixem-me ir para a rua
quero gritar
chorar
cantar.
Quero levantar bem alto
a bandeira
do desespero.

Quero rir-me de ti
de mim
de todos nós.
Quero que os bandidos
chorem
a dor
e a vergonha
de o serem.

Quero dar pão
A quem tem fome
e dar água aos sedentos.
Quero dar amor
carinho
ternura
a quem vive só.

Quero sofrer com o presidiário
e sorrir feliz com os noivos.
Quero dar um lar aos órfãos
E trabalho a quem o procura.
Quero que todos os políticos
unam esforços
numa aliança firme
por um mundo melhor.

Quero acabar com o terrorismo
e as penas de morte.
Quero acabar com a fome
a poluição,
e a guerra.

Deixem-me ir para a rua
Deixem-me erguer bem alto
a minha bandeira.
E escrevam depois nos jornais
Que anda por aí à solta
Uma louca perigosa.


Elvira Carvalho 

in  "perdidamente" vol III páginas 179/180

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...