Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

sábado, 15 de agosto de 2009

MARIA JOSÉ FRAQUEZA

Foto da net



HINO DE AMOR

Neste mundo cruel e tão carente
A guerra, a droga, a sida me apavora
Ao ver numa criança,um inocente
O Homem desumano que a explora...

Quero viver num mundo diferente,
Mas que mundo voraz, mundo de agora!
Que a Paz chegasse a todo o continente...
Existe tanta gente que ainda chora!

Eu quero ver um mundo que a sorrir,
Saiba abrir as Portas ao Porvir...
Mais temente a Deus Pai - o Criador!

Amar! Amar... e não ter mais fronteiras
A Bandeira da Paz, nas dianteiras...
Hino à Pátria Amada! Ecos d Amor!

biografia:

Maria José Viegas da Conceição Fraqueza
, natural da Fuseta, nascida em 8 de Maio de 1936, autora inscrita na Sociedade Portuguesa de Autores, tem cerca de 11 obras individuais cujos títulos se descrevem - Histórias da Minha Terra - 1ª e 2ª edições; Alcunhas e Apelidos - Histórias da Minha Gente; Murmúrios do Mar; Vendavais da Alma; Cântico das Ondas; Há Natal Dentro de Mim; Maresias Infinitas; Maré de Trovas; Quando o Mar Canta para Mim; Mar Infinito; Mar de Rosas; Tochas Floridas; Sob as Margens do Gilão e No Tempo da Mana Anica [prosa - conto].
Maria José Fraqueza, é professora aposentada, poetisa, pintora, escritora, calígrafa, radialista e jornalista. Exerceu no ensino secundário até à aposentação 37 anos de serviço dos quais constam inúmeras actividades culturais em paralelo. Como poetisa e prosadora, tem cerca de setecentos prémios a nível nacional e internacional, em jogos florais e concursos literários, em diversas modalidades. Na pintura possui cerca de 40telas a óleo, tendo participado nalgumas exposições colectivas. Como escritora dramaturga, tem diversas obras teatrais já apresentadas em palco, desde Almada a Vila Real de Santo António. Tem participado em diversos jornais e revistas com crónicas, entrevistas e artigos, não só em Portugal como no Brasil. Como radialista há cerca de nove anos que realiza o programa semanal na Rádio Gilão de Tavira - 'A Poesia em Movimento - Onda Poética ' entre outros em que já colaborou e realizou em diversas rádios locais - A Magia das Palavras - Poeta é o Povo - Clube dos Poetas Vivos - Poetas da Minha Terra.
É sub-directora do Jornal Correio Meridional e fundadoura do Jornal Brisas do Sul, a que lhe deu o nome, sendo a sua primeira directora.
É Directora dos Jogos Florais Internacionais de Nossa Senhora do Carmo da Fuseta com 35 anos de existência, vinte anos dos quais tem dinamizado e realizado. Directora Cultural e Presidente da Assembleia do Sport Lisboa e Fuseta; Directora Cultural do Elos Clube de Faro; Vic- Presidente do Clube de Simpatia de Olhão; Vice-Presidente da Associação de Jornalistas e Escritores do Algarve; Presidente em Portugal da Sociedade de Cultura Latina - Secção Brasil - Mogi das Cruzes - S. Paulo; Membro Académico das Academias Brasileiras de Trovas de Magé - Rio de Janeiro; Membro Académico da Academia de Trovas de Niterói; Membro Académico da Accademia Internazionale 'Il Convívio' em Castiglione di Sicília - Itália.
Tem sido júri de diversos Concursos Nacionais de Poesia e Prosa em Portugal, Brasil e Itália.
É ensaiadora de teatro, cantares e danças populares. Na área da música - prémio compositor [letra] - canção ligeira, tem no seu currículo: três primeiros prémios e um segundo, nos anos de 2002, 2003 e 2004, nomeadamente no Festival da Canção do Sul, entre outros.


Biografia DAQUI

10 comentários:

Vicktor disse...

Querida Elvira

Maravilhosa partilha.

Um beijinho.

EDUARDO POISL disse...

Ninguém tem culpa
Daquilo que não fomos
Não ouve erros

Nem cálculos falhados

Sobre a estipe de papel;
Apenas não somos os calculistas
Porem os calculados

Não somos os desenhistas
Mas os desenhados
E muito menos escrevemos versos
E sim somos escritos

Ninguém é culpado de nada
Neste estranhar constante
Ao longe uma chuva fina
Molha aquilo que não fomos...

Autor: Desconhecido
Um lindo domingo com todo carinho para você.
Abraços

Isamar disse...

Um dos belos poemas da Maria José Fraqueza que tanto tem feito em prol da cultura.

Beijinhos

Bem-hajas!

Sonia Schmorantz disse...

Publiquei hoje um poema de Isabel Meyrelles, lembrei que tinha lido sobre ela no teu blogger...
Tudo sempre tão caprichado aqui!
beijo, lindo final de semana

São disse...

Mais uma boa descoberta. Para mim, claro, que desconhecia: obrigada!

Um final de demana feliz.

Ângela Coelho disse...

Como seria maravilhoso se pudessemos viver em paz como este poema de Maria Fraqueza pede. Infelizmente vivemos em um mundo que só pensa no seu próprio beneficio.
Beijos no teu coração.

Deusa Odoyá disse...

Oi querida Elvira!!!
Não conhecia essa obra,parabéns pela descoberta.
Mais um poema de muito valor.
Uma semana de muitas realizações e glórias.
Beijinhos.
Regina Coeli.

Anónimo disse...

À MARIA JOSÉ

Viva.

Bateu-me a saudade e vim à tua procura.

Mulher!... fiquei derrotado. Tanta coisa que fazes e ainda por cima bem.

És disciplinada, vê-se Logo. Só assim se consegue fazer o que fazes. Todo o Algarve deveria estar rendido à tua competência e saber. Porque há Maria José Fraqueza por tdo o lado.

Sinto-me bem aqui e qualquer pessoa se sentirá, porque este é
um espaço agradável.

Não há medo. Contrariamente a outros lugares, onde a ditadura impera ainda.

Vou mandar-te um mail com alguns poemas meus, retirado do livro que quero publicar SONETOS IMPERFEITOS.

Para colocares no blogue ou leres na rádio Gilão.

Pode ser?

Ab.
João Brito Sousa

João Morgado disse...

É lua cheia de Julho, em pleno ardor,
o vento é quente e preguiçoso
nesta noite deixo-me ficar por aqui,
porque o ficar me dá gozo.
Bebo então, o meu "xiripiti",
no café d'O Pescador.
Ouço falar de poetizas,
cuja essência é daqui,
assim percebi seres tu que bisas.
das graças do que já li.
Adorei! E sem favor, digo:
Tão profunda cada poesia,
focam um tema ou outro de amigo,
mas há cada um, cheio de mais valia.
Não poupam nunca nas palavras,
proféticas e irreverentes.
Adorei até as que lavras,
sublevações descontentes.


(João Morgado)

Fanzine Episódio Cultural disse...

Olá!! Este é um convite para você participar do “Grupo Academia Machadense de Letras”, onde você poderá publicar gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, livros, música; textos sobre saúde, eventos, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo e no canto superior direito clique em (PARTICIPAR). Grande abraço!
Link do Grupo: https://www.facebook.com/groups/149884331847903/
Meu perfil: https://www.facebook.com/carlosroberto.desouza.7
=======================
MINHA MINI BIOGRAFIA

1964: Carlos Roberto de Souza nasce em Machado-MG
1966: Muda-se para São Paulo/SP, onde surge sua paixão pelo Cinema.
1995: Retorna para Machado, passando a pesquisar a trajetória do Cinema local.
2005: Edita a Revista do Cinema Machadense (1911-2005)
2006: Compõe três letras gravadas pela banda finlandesa “Força Macabra”
2008: Lança o livro “O Anjo e a Tempestade” sob o pseudônimo “Agamenon Troyan”.
2008: Edita o Fanzine Episódio Cultural
2009: Edita o Jornal Ciclone
2010: Novo membro da Academia Machadense de Letras
2010: Destaque do ano (Troféu Carlos Drummond de Andrade”) em Itabira-MG.

MEUS CONTATOS;

Carlos Roberto de Souza

Facebook: https://www.facebook.com/carlosroberto.desouza.7
E-mail: machadocultural@gmail.com
Twitter: www.twitter.com/episodiocultura
Myspace: www.myspace.com/tarokid2003
Blog: http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
VENHA CONHECER OS MEUS PROJETOS CULTURAIS
http://www.youtube.com/watch?v=5gyGLdnpuvQ
---------------------------------------------------------------------------------

Sobre o meu livro “O Anjo e a Tempestade” e Fanzine Episódio Cultural
http://www.youtube.com/watch?v=5gyGLdnpuvQ

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...