Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

Seguidores

terça-feira, 1 de outubro de 2019

GLÓRIA DE SANT'ANNA

Recado

Se eu morrer longe
sepulta-me no mar
dentro das algas ignorantes
e lúcidas.

Cobre o meu rosto de palavras
antigas
e de música.

Deixa em meus dedos
a memória mais recente
de outras coisas inúmeras

e nos meus cabelos
o incerto movimento
do vento e da chuva.

Eu vogarei sob as estrelas
com pálidas luzes entre os cílios
e pequenos caramujos
entrarão nos meus ouvidos.

Estarei assim idêntica
a todos os motivos.

Glória de Sant'Anna, in 'Música Ausente'


Biografia  AQUI

14 comentários:

chica disse...

Profunda e muito linda poesia! Bjs,chica

Os olhares da Gracinha! disse...

Não conhecia e adorei!!! Bj

Isamar disse...

Olá,
Não conhecia a autora, mas gostei bastante.
Bom fim-de-semana.
Beijinhos!

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de paz de Primavera no coração ainda que seja Outono aí, querida amiga Elvira!
Espero que esteja bem e a poesia postada combina com meu o modo de sentir: quero ser sepultada no 'mar' também...
Tem carinho para nossa querida Lourdes e você aqui:
https://espiritual-marazul.blogspot.com/2019/09/amorosa-homenagem.html#comment-form
Tenha uma tarde abençoada de Primavera!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem  

Tais Luso disse...

Nossa... é tocante, faz pensar em várias coisas.
Fui atrás da poeta, merecia uma busca, e gostei muito!
Beijo, um ótimo domingo.

Maria Rodrigues disse...

Belíssimo poema.
Minha amiga, muito obrigado por ter comemorado comigo o aniversário do meu filho.
Beijinhos
Maria

Humberto Maranduva disse...

Gosto da subtileza antropomórfica deste poema; do desejo de perpetuação eterna de cariz naturalista; deste regresso panteísta às origens.
O poema explana-se com uma leveza extraordinária, através dum conjunto de compostos sintagmáticos bem articulados, e consegue operar uma coesão de sentidos essenciais por meio da afirmação sígnica repleta de cor e musicalidade.
Parabéns à POEISA.
Um bom resto de semana.

Humberto Maranduva disse...

Peço desculpa. Parabéns à POETISA.

O meu pensamento viaja disse...

Um belo texto, Elvira.
Tenha um feliz Outono.

silvioafonso disse...

Nossa!, senti-me um corisco
tentando te acompanhar...
Bela poesia, Elvira. Bela.

Olinda Melo disse...


Grata, Elvira, por trazer ao seu espaço esta autora que não conhecia.
Pelo tempo que viveu em Moçambicana quase que a apelidaria de "poeta
moçambicana" :) Vou colocá-la na minha lista.

Espero que esteja melhor dos seus problemas de saúde.

Bj

Olinda

Manuel Veiga disse...

gostei muito do poema, Elvira
grato por dar a conhecer uma poetisa que me era desconhecida.

grato pela presença amiga no meu espaço.

abraço

Jorge Sader Filho disse...

Suave e melodiosa poesia, como costumam ser as portuguesas e as da terra do Mia Couto! Excelente, Elvira!
Grande abraço.

Donetzka Cercck L. Alvarez disse...

Essa autora não conhecia,mas adorei o poema! Profundo e com métrica diferente,amiga Elvira!

Obrigada pelas visitas e inteligentes comentários.

Gosto muito de você,amiga!


Beijos sabor carinho e um fim de semana maravilhoso

Donetzka


Blog Magia de Donetzka