Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

quinta-feira, 30 de julho de 2015

MARIA AUGUSTA RIBEIRO

                                      Foto do jornal Expresso


Sem abrigo

Ficou ali
Debaixo de uma escada
Tirou dos sacos uma manta usada
Que estendeu no chão
Fez um ninho de cão
Com palha e farrapada
Cobriu-se com jornais
(Que até falavam dele
E outros tais
Pois cada vez há mais!)
Fez um docel
Com uma velha pele
Rafada
Encomendou-se ao Nada
E dormiu

A cidade, passando açodada
Não via nada
E a familia
Fingia que não o conhecia…

Ali ficou até anoitecer
Viriam as senhoras a oferecer
Sopinha quente e uma maçã
Só para confortar

E ele irá guardar
Em cada mão
Um pão
Para comer de manhã
Se acordar…
Maria Augusta Ribeiro

Biografia
Maria Augusta Ribeiro, é uma poetisa de Mirandela.  Tem quatro livros publicados e participações em antologias de poesia, como a de poesia contemporânea, "ENTRE O SONO E O SONHO" deste ano. Tem um blogue AQUI


6 comentários:

manuela barroso disse...

Parabéns antes de mais pela sua actualidsima e bela poesia
No mesmo timbre a poesia da nossa poeta de hoje . Parabéns para ela e obrigada por partilhar , Elvira
Bji

✿ chica disse...

Linda poesia escolheste. Triste, real, linda! bjs, chica

Maria Rodrigues disse...

Uma dura e triste realidade.
Excelente escolha.
Beijinhos
Maria

MARILENE disse...

Como é triste ver os desabrigados. E aumentam a cada dia. Mais doído ainda é saber que alguns são abandonados pela família. Gostei de conhecer a autora. Bjs.

Poções de Arte disse...

Boa tarde, Elvira! Cheguei!!!
Essas poesias que narram a realidade são tão cheias de sentimento que não há como não tocar o coração...
Infelizmente, há tantos assim. Aqui em São Paulo, alguns dormem até embaixo do "impostômetro", é revoltante. Vemos a quantidade de dinheiro arrecadado e tantos sem ter o que comer ou onde morar. Que bom que sempre podemos estender a mão e dividir com que está perto.
Abração esmagador e ótimo final de semana.

rosa-branca disse...

Um poema triste como é triste a realidade de tanta gente que nada tem, para outros terem tanto. Beijos com carinho

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...