Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

domingo, 13 de julho de 2014

YOLANDA MARAZZO


Barcos


"Nha terra é quel piquinino
É São Vicente é que di meu"
Nas praias
Da minha infância
Morrem barcos
Desmantelados.
Fantasmas
De pescadores
Contrabandistas
Desaparecidos
Em qualquer vaga
Nem eu sei onde.
E eu sou a mesma
Tenho dez anos
Brinco na areia
Empunho os remos...
Canto e sorrio...
A embarcação
Para o mar!
É para o mar!...

E o pobre barco
O barco triste
Cansado e frio
Não se moveu...




Biografia daqui

Yolanda Marazzo Lopes da Silva, poeta e escritora de língua portuguesa, nasceu em São Vicente, Cabo Verde,  África, a 16 de Dezembro de 1927.  Ao 15 anos, 1943, partiu para Lisboa, onde completou o estudos no Liceu Rainha Dona Leonor. É diplomada com o curso superior de Francês e o curso superior de Moderna Literatura Francesa, da Alliance Française e com o curso de Ingês do Instituto Britânico. Em 1958, parte para Angola acompanhando o marido e aí permanence no período convulso da guerra colonial, de 58 a 68. Findo esse tempo foi vver para Luanda onde lecciona no ensino particular, trabalhando ao mesmo tempo na Embaixada da Jugoslávia.
Neta de José Lopes, um dos maiores e mais cultos poetas de Cabo Verde, cedo revelou a sua poesia, tendo feito parte do Grupo do Suplemento Cultural, juntamente com Gabriel Mariano, Aguinaldo Fonseca, Ovídio Martins, Carlos Alberto Monteiro Leite e Francisco Lopes da Silva.
Colaborou em Lisboa no Artes e Letras do Diário de Notícias, no República e em periódicos angolanos, como Província de Angola, Jornal de Lobito e Notícias.
Figura nas seguintes Antologias: Modernos Poetas de Cabo Verde; Portugalidade; Mulheres e a Sensbilidade Portuguesa; Panorâmica da Poesia Africana de Expressão Portuguesa
Publicou: Cântico de ferro, Lisboa, 1976. Em 2006 a Casa da Moeda, em Portugal, publicou a sua Poesia completa 1954-2004.

Faleceu em Lisboa a 28 de Janeiro de 2009, vitima de doença prolongada 

4 comentários:

✿ chica disse...

Beleza de poesia, adoro o tema barcos, mar... E Foi bom conhecer a autora! bjs, tudo de bom,chica

Lu Nogfer disse...

Quantas coisas querem dizes as barcos.
Belíssina poesia e poetisa.

Beijos

Maria Rodrigues disse...

Por vezes sentimo-nos assim, como velhos barcos que de tanto cansaço já não conseguimos sair do lugar e nos sentimos afundar lentamente.
Não conhecia a poetisa, obrigado pela partilha.
Uma boa semana
Beijinhos
Maria

Bruxa disse...

Bom dia, Elvira!

A imagem já nos faz querer entrar nesse barquinho e navegar por essas águas.
Ao ler o poema somos transportados pra outra época, onde a autora coloca bem seus sentimentos, entendidos só depois de passar pela infância.
Adorei!

Abraços e lindo dia.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...