Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

ANA CRISTINA CESAR




Samba-canção
Tantos poemas que perdi.
Tantos que ouvi, de graça,
pelo telefone – taí,,
eu fiz tudo pra você gostar,
fui mulher vulgar,
meia-bruxa, meia-fera,
risinho modernista
arranhando na garganta,
malandra, bicha,
bem viada, vândala,
talvez maquiavélica,
e um dia emburrei-me,
vali-me de mesuras
(era comércio, avara,
embora um pouco burra,
porque inteligente me punha
logo rubra, ou ao contrário, cara
pálida que desconhece
o próprio cor-de-rosa,
e tantas fiz, talvez
querendo a glória, a outra
cena à luz de spots,
talvez apenas teu carinho,
mas tantas, tantas fiz...


Ana Cristina Cesar



Biografia

Ana Cristina Cesar, ou Ana C., como era conhecida, nasceu em 1952 nesta cidade do Rio de Janeiro. Após 1968, passou um ano em Londres, fez algumas viagens pelos arredores e, na volta, deu aulas, traduziu, fez letras, escreveu para revistas e jornais alternativos, e saiu na antologia "26 Poetas Hoje", de Heloísa Buarque. Publicou, pela Funarte, pesquisa sobre literatura e cinema, fez mestrado em comunicação, lançou seus primeiros livros em edições independentes: "Cenas de Abril" e "Correspondência Completa". Dez anos depois voltou à Inglaterra, graduou-se em tradução literária, escreveu muitas cartas e editou "Luvas de Pelica". Trabalhou em jornalismo, televisão e escreveu "A Teus Pés", Editora Ática - São Paulo, 1998. Suicidou-se no dia 29 de outubro de 1983.
O poema acima foi incluído no livro "Os cem melhores poemas brasileiros do século", Editora Objetiva - Rio de Janeiro, 2001, pág. 249, seleção de Ítalo Moriconi, que assim se manifestou sobre a escritora: "Ana Cristina dizia que uma das facetas do seu desbunde fora abandonar a idéia de ser escritora, livrar-se do que ela naquele momento julgava ser sua face herdada, o estigma princesa bem-comportada, alguém marcada para escrever".

Biografia retirada da net

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

ZILA MAMEDE


Banho (rural)

De cabaça na mão, céu nos cabelos
à tarde era que a moça desertava
dos arenzés de alcova. Caminhando

um passo brando pelas roças ia
nas vingas nem tocando; reesmagava
na areia os próprios passos, tinha o rio

com margens engolidas por tabocas,
feito mais de abandono que de estrada
e muito mais de estrada que de rio

onde em cacimba e lodo se assentava
água salobre rasa. Salitroso
era o também caminho da cacimba

e mais: o salitroso era deserto.
A moça ali perdia-se, afundava-se
enchendo o vasilhame, aventurava

por longo capinzal, cantarolando:
desfibrava os cabelos, a rodilha
e seus vestidos, presos nos tapumes

velando vales, curvas e ravinas
(a rosa de seu ventre, sóis no busto)
libertas nesse banho vesperal.

Moldava-se em sabão, estremecida,
cada vez que dos ombros escorrendo
o frio d'água era carícia antiga.

Secava-se no vento, recolhia
só noite e essências, mansa carregando-as
na morna geografia de seu corpo.

Depois, voltava lentamente os rastos
em deriva à cacimba, se encontrava
nas águas: infinita, liquefeita.

Então era a moça regressava
tendo nos olhos cânticos e aromas
apreendidos no entardecer rural.


Zila da Costa Mamede nasceu em Nova Palmeira, na Paraíba, no dia 10 de setembro de 1929. Ainda criança, passou a residir no interior do Rio Grande do Norte, onde moravam seus avós. Estudou os primeiros anos em Currais Novos e, mais tarde, em Natal. Entre 1955 e 56, fez o curso de Biblioteconomia, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, e um curso de especialização nos Estados Unidos.

Ao retornar a Natal, organizou as principais bibliotecas da cidade, como a Biblioteca Central da UFRN (hoje Biblioteca Zila Mamede), e a Biblioteca Estadual Pública "Câmara Cascudo". Em sua produção intelectual encontram-se tanto trabalhos ligados à área da biblioteconomia, como da literatura.

Estreou com o livro Rosa de Pedra, que foi saudado efusivamente pela crítica. E Salinas, o segundo livro, recebeu o prêmio "Vânia Souto Carvalho", de 1958. Depois desse, a autora voltou-se para seu passado de menina sertaneja e as paisagens da infância, e construiu aquele que pode ser considerado seu melhor livro: Arado, publicado em 1959.

Os anos seguintes foram dedicados às pesquisas sobre as obras de Câmara Cascudo e de João Cabral de Melo Neto. Apenas em 1975 retoma à poesia e publica Exercício da palavra, que traz como novidade a temática urbana e a preocupação com estratégias da vanguarda, então utilizadas pela poesia concreta e o poema processo. Em 1978 publicou Navegos, contendo o conjunto de sua poesia conhecida mais um novo livro — Corpo a corpo.

Em 13 de dezembro de 1985, Zila Mamede sentiu-se mal e afogou-se, quando nadava no Rio Potengi, como costumava fazer quase diariamente.

(fonte:www.amulhernaliteratura.ufsc.br).
AOS AMIGOS, PEÇO DESCULPA PELA AUSÊNCIA, MEU PAI CONTINUA MAL NO HOSPITAL, E EU SEU TEMPO PARA VOS VISITAR. AGRADEÇO A VOSSA COMPREENSÃO, E DESEJO UM BOM FIM DE SEMANA

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

CLARICE LISPECTOR


Quero escrever o borrão vermelho de sangue


Quero escrever o borrão vermelho de sangue
com as gotas e coágulos pingando
de dentro para dentro.
Quero escrever amarelo-ouro
com raios de translucidez.
Que não me entendam
pouco-se-me-dá.
Nada tenho a perder.
Jogo tudo na violência
que sempre me povoou,
o grito áspero e agudo e prolongado,
o grito que eu,
por falso respeito humano,
não dei.

Mas aqui vai o meu berro
me rasgando as profundas entranhas
de onde brota o estertor ambicionado.
Quero abarcar o mundo
com o terremoto causado pelo grito.
O clímax de minha vida será a morte.

Quero escrever noções
sem o uso abusivo da palavra.
Só me resta ficar nua:
nada tenho mais a perder.


Clarice Lispector


Clarice Lispector (Tchetchelnik Ucrânia 1925 - Rio de Janeiro RJ 1977) passou a infância em Recife e em 1937 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se formou em direito. Estreou na literatura ainda muito jovem com o romance Perto do Coração Selvagem (1943), que teve calorosa acolhida da crítica e recebeu o Prêmio Graça Aranha. Em 1944, recém-casada com um diplomata, viajou para Nápoles, onde serviu num hospital durante os últimos meses da Segunda Guerra. Depois de uma longa estada na Suíça e Estados Unidos, voltou a morar no Rio de Janeiro. Entre suas obras mais importantes estão as reuniões de contos A Legião Estrangeira (1964) e Laços de Família (1972) e os romances A Paixão Segundo G.H. (1964) e A Hora da Estrela (1977). Clarice Lispector começou a colaborar na imprensa em 1942 e, ao longo de toda a vida, nunca se desvinculou totalmente do jornalismo. Trabalhou na Agência Nacional e nos jornais A Noite e Diário da Noite. Foi colunista do Correio da Manhã e realizou diversas entrevistas para a revista Manchete. A autora também foi cronista do Jornal do Brasil. Produzidos entre 1967 e 1973, esses textos estão reunidos no volume A Descoberta do Mundo. Escreve a crítica francesa Hélène Cixous: "Se Kafka fosse mulher. Se Rilke fosse uma brasileira judia nascida na Ucrânia. Se Rimbaud tivesse sido mãe, se tivesse chegado aos cinqüenta. (...). É nessa ambiência que Clarice Lispector escreve. Lá onde respiram as obras mais exigentes, ela avança. Lá, mais à frente, onde o filósofo perde fôlego, ela continua, mais longe ainda, mais longe do que todo o saber".


Pequeno extracto de uma biografia, que pode consultar na integra em

http://www.releituras.com/clispector_bio.asp

AOS AMIGOS QUE POR AQUI PASSAM, PEÇO DESCULPA DE NÃO ESTAR A VISITÁ-LOS NOS VOSSOS BLOGUES. DE MOMENTO QUASE NÃO TENHO TEMPO DE FAZER UM POST. PROMETO VOLTAR LOGO QUE POSSÍVEL. E AGRADEÇO A VOSSA AMIZADE E COMPREENSÃO.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

NOÉMIA DE SOUSA



INFELIZMENTE JAMAIS


No instintivo temor das ruas

Maria hesitava nos passeios

até não pressentiro mais fugaz

presságio.

Contorno de sombra

à berma de uma além –asfalto

fatal presságio da rua

infelizmente já não

a intimida.




Cumprido o funesto prenúncio

já atravessava uma avenida

infortunadamente já nenhum risco

intimida o espírito

de Maria.




Doentiamente eu amaria ver

Maria ainda amedrontada

e nunca como depois

em que já nada a intimida.


Noémia de Sousa


Biografia


Noémia de Sousa, nasceu em Catembe, Moçambique, em 1926 e faleceu em Cascais, Portugal, em 2002. Poeta, jornalista de agências de notícias internacionais viajou por toda a África durante as lutas pela independência de vários países. Só publicou tardiamente seu livro de poesias Sangue Negro, em 2001.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...