Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

terça-feira, 21 de abril de 2009

FERNANDA BOTELHO

(foto recebida no orkut. Obrigada Juli)
Amnésia
Posso pedir, em vão, a luz de mil estrelas:
apenas obtenho este desenho pardo
que a lâmpada de vinte e cinco velas
estende no meu quarto.

Posso pedir, em vão, a melodia, a cor
e uma satisfação imediata e firme:
(a lúbrica face do despertador
é quem me prende e oprime).

E peço, em vão, uma palavra exata,
uma fórmula sonora que resuma
este desespero de não esperar nada,
esta esperança real em coisa alguma.

E nada consigo, por muito que peça!
E tamanha ambição de nada vale!
Que eu fui deusa e tive uma amnésia,
esqueci quem era e acordei mortal.

Fernanda Botelho

Biografia
Escritora portuguesa natural do Porto. Após o curso de Filologia Clássica nas Universidades de Coimbra e Lisboa, fixou-se na capital para dirigir o departamento de turismo da Bélgica. Para além da sua colaboração em revistas como Graal, Europa ou Távola Redonda, iniciou-se na poesia com As Coordenadas Líricas (1951). Em 1960 o seu romance A Gata e a Fábula recebeu o prémio Camilo Castelo Branco. A sua obra de ficção caracteriza-se pela análise, ao mesmo tempo sarcástica e delicada, da trama de relações presentes numa realidade assente no antagonismo entre o quotidiano banal e a inquietação existencial. Publicou, além das obras citadas, o volume de novelas O Enigma das Sete Alíneas (1956) e os romances O Ângulo Raso (1957), Calendário Privado (1958), Xerazade e os Outros (1964), Terra sem Música (1969), Lourenço é Nome de Jogral (1971, Prémio Nacional de Novelística), Esta Noite Sonhei com Brueghel (1987, Prémio da Crítica), Festa em Casa de Flores (1990, Prémio Eça de Queirós), Dramaticamente Vestida de Negro (1994) e As Contadoras de Histórias (1998, Prémio de Ficção da Associação Portuguesa de Escritores)



Faleceu a 11 de Dezembro de 2007

Biografia retirada da net



segunda-feira, 13 de abril de 2009

ANNA MARIA FEITOSA



Retrato de corpo inteiro

No azul do teu peito
ensolarado
há espelhos de cristal
multiplicando imagens.
Emergem risos
lágrimas
promessas
olhares infantis
perdidamente
infinitamente
apaixonados
adolescentes.
A vida renasce
das tuas mãos
tremulas
entrelaçadas
— há muito tempo entrelaçadas —
Reencontradas.
No espaço secreto
da memória,
nosso retrato
- De corpo inteiro -
É o quadro mais bonito
que se pode iluminar.

Anna Maria Feitosa
Biografia -
É doutorada em Educação Física pela Universidade do Porto, em Portugal, com tese na área da Epistemologia da Motricidade Humana. É ficcionista e poetisa com assento na Academia de Letras e Artes do Nordeste e na União Brasileira de Escritores (UBE). É membro fundador da Associação Cultural Manuel da Fonseca.
(Por mais que procurasse na net não encontrei uma biografia mais completa da autora)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...